logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Vacina que protege contra câncer e verrugas genitais será oferecida pelo SUS

saude

Durante um banho, uma estudante descobriu um carocinho, parecido com uma espinha, na região genital. Não sentia dor, mas decidiu procurar um médico para descobrir o que era. A ginecologista logo lhe deu o diagnóstico: era HPV. O vírus, que infecciona a pele ou as mucosas, principalmente por meio de contato sexual, atinge grande parte da população em todo o mundo.

Normalmente, este vírus é eliminado pelo próprio corpo, sem causar problemas à saúde. Mas é preciso esclarecer que também pode provocar o aparecimento de lesões e até câncer de colo de útero, considerado um dos piores cânceres. 

Como mais uma forma de prevenção da doença, o Ministério da Saúde anunciou a vacinação gratuita de meninas de 10 e 11 anos contra o papilomavírus (HPV), a partir de 2014. A meta é vacinar 80% desse público-alvo, o que corresponde a 3,3 milhões de pessoas. A escolha da faixa etária foi baseada em evidências científicas, estudos sobre o comportamento sexual e a avaliação de especialistas que atuam no Comitê Técnico Assessor de Imunizações (CTAI) – órgão vinculado ao Ministério da Saúde. 

A vacina que estará disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) é a quadrivalente, usada na prevenção de quatro tipos de HPV (6, 11, 16 e 18). Dois deles (16 e 18) respondem por 70% dos casos de câncer e os outros (6 e 11) podem causar verrugas. 

Esse último foi o caso de Joana. Ela não chegou a desenvolver um tumor, mas ficou muito preocupada com a possibilidade. “Quando fiz o tratamento, só fui cair na real mesmo quando fiz a cauterização. Porque você se sente um pouco mutilada. Fica aquela ferida e até cicatrizar, até melhorar tudo direitinho você já pensa em milhões de coisas”, lembra. 

Ela não havia tomado a vacina antes de começar a ter relações sexuais. Mas agora considera prioridade a aplicação desse e outros métodos preventivos, como o exame Papanicolau e o uso de preservativo em qualquer tipo de contato sexual. “Hoje em dia eu me cuido indo ao ginecologista de seis em seis meses e usando camisinha sempre”, acrescenta. 

A introdução da vacina SUS foi possível por conta da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), com transferência de tecnologia entre o laboratório internacional Merck Sharp & Dohme e o Instituto Butantan, que passará a fabricar a vacina no Brasil. O acordo vai gerar economia aos cofres públicos, já que o Ministério da Saúde pagará cerca de R$ 30 por dose, o menor preço já praticado no mercado – 8% abaixo do valor do Fundo Rotatório da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). 

A expectativa, em cinco anos, é de um valor 34% menor que o gasto atual (nesse período, o laboratório público passará a ter domínio de todas as etapas para a produção). Com isso, o custo vai cair de US$ 543 milhões para US$ 452,5 milhões – uma economia de US$ 90,5 milhões (ou cerca de R$ 200 milhões).

 

FONTE: HORA DA SAÚDE