logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Estudo relaciona caminhada diária à diminuição do risco de câncer de mama

agua

Pela primeira vez, uma pesquisa consegue relacionar a atividade de caminhar à diminuição do risco de câncer de mama. Segundo o levantamento, as integrantes do estudo que caminhavam pelo menos 7 horas por semana tiveram índices mais expressivos na diminuição da doença.

A pequisa acompanhou 73 mil mulheres com idades entre 50 e 74 através da American Cancer Society, entre 1992 e 1993.

Todas as participantes foram incentivadas a preencher questionários sobre o tempo elas praticavam atividades como caminhada, natação e aeróbica e quanto tempo eles gastaram sentado assistindo televisão ou lendo.

       Eles completaram os mesmos questionários em intervalos de dois anos entre 1997 e 2009. Entre as mulheres , 47 % disseram que a caminhada foi a única atividade recreativa.

Os resultados mostraram que as mulheres que afirmaram andar pelo menos sete horas por semana tiveram um risco 14 % menor de câncer de mama em comparação com aquelas que caminharam três ou menos horas por semana.

Segundo o líder do estudo, Alpa Patel, da American Cancer Society, "levando em consideração que mais de 60% das mulheres relatam realizar caminhadas diárias, promover este tipo de atividade como uma forma saudável de lazer pode ser um instrumento eficaz na estratégia para aumentar a atividade física entre as mulheres na pós-menopausa .

       "Para nós, foi importante descobrir que apenas uma caminhada de uma hora, sem qualquer outra atividade recreativa, já foi o bastante para diminuir o risco de câncer nestas mulheres," disse Patel. Ele afirmou ainda que "os grupos que praticaram atividades físicas mais "pesadas" alcançou redução ainda maior no risco de desenvolver a doença. "

Baronesa Delyth Morgan, diretora da campanha contra o câncer de mama no Reino Unido, afirma que estudo mostra, mais uma vez, que escolhas de estilo de vida podem desempenhar um papel definitivo no aumento ou diminuição do risco de câncer de mama. "Mesmo pequenas mudanças incorporadas à nossa atividade normal podem fazer diferença."

"Nós sabemos que a melhor arma para vencer o câncer de mama é a capacidade de impedir que ele ocorra em primeiro lugar. O desafio agora é como transformar essas descobertas em ação e identificar outras mudanças de estilo de vida sustentável que nos ajudarão a prevenir a doença," completa.

FONTE: SIS SAÚDE