logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Alimentos devem ficar mais caros com a alta do frete

frete

Polêmica em torno da lei que define jornada de trabalho e descanso dos motoristas deve atingir o consumidor:

Em 19 de dezembro, a Justiça do Trabalho concedeu liminar suspendendo resolução do Conselho Nacional de Trânsito que adiava por seis meses (no caso, a partir de 12 de março) a entrada em vigor da lei de descanso do motorista. Com a decisão judicial, a Polícia Rodoviária Federal e o Ministério Público do Trabalho já estão fiscalizando.

Sancionada pelo governo federal, a Lei do Motorista determina:
10 horas diárias é o tempo máximo ao volante
A cada quatro horas de direção, descanso mínimo de 30 minutos
11 horas de repouso diário
Tempo parado em fiscalização e terminal de carga e descarga será remunerado

Cumprimento da lei levou empresas a elevar preços de fretes:
14,98% para carga tracionada (pequenos volumes)
28,92% para carga nacional de longa distância
29% para carga internacional
27,28% para transporte de contêineres

O que já se desenha com o aumento dos fretes:
Demora de até 50% na entrega das mercadorias pelas indústrias
Supermercados terão de formar estoques de segurança para compensar possível demora na entrega de produtos, aponta a Agas
Conta final deverá ser repassada ao consumidor

Produtos que vêm de longe (São Paulo, Mato Grosso e Goiás) estão mais sujeitos a reajustes de preços:
Carne bovina, especialmente costela
Frangos
Farinha
Massas e biscoitos

FONTE: ZERO HORA