logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Notícias &, por Gláucia Knob

textossite

 

A educAÇÃO

Quantos anos você tem? Já vai à escola? Essas perguntas são freqüentemente feitas pelos adultos para as crianças, talvez até possam ser consideradas clichês. E, a criança, caso ainda não frequente, responde ansiosa, que, em breve, sim! irá à escola. E quando chega o primeiro dia de aula? O nervosismo mediante a nova experiência, não estar mais em casa, colegas, uma nova rotina, material escolar. Tudo é lindo, fantástico!

Além disso, as crianças vão cada vez mais cedo para a escola e mais ainda a partir de 2014 quando a matrícula aos 4 anos se tornará obrigatória. Os anos passam, alguns continuam adorando ir à escola, outros nem tanto...

O tempo passado na escola é muito grande, principalmente, para quem não gosta de estar lá. Somamos a isso o descontentamento dos professores, as críticas ao sistema educacional e por aí vai... Os tempos mudaram, a sociedade mudou, mas a escola continua lá, com o seu papel de receber os alunos.

Até surgem modificações, como a implantação gradual do Ensino Médio Politécnico, que tem recebido muitas críticas. Mas, apesar de todos os problemas, principalmente o despreparo e a falta de estrutura de algumas escolas, é uma possibilidade de mudar, fazer diferente. Não acho que isso poderá deixar a educação pior do que ela está. Será possível?

Claro que não se pode generalizar, mas alunos e professores estão desmotivados, cumprindo a obrigação de estarem na escola. Sem contar os pais... São poucos os que realmente se interessam e ajudam a escola para que ela seja um ambiente agradável e que seus filhos gostem de estar lá. Falta apoio. E o pior de tudo, hoje em dia, a maioria dos alunos fica feliz quando fazem NADA. Sim! Ir à escola e fazer nada. Ficar lá sentado, observando, isso quando não prefere ficar a aula toda incomodando quem ainda tem interesse.

Nem me refiro a silêncio total, pois todos gostam de conversar, mas interessar- se pelas atividades propostas, interessar- se por estudar, por aprender, interessar- se por ter um futuro melhor, com boas oportunidades de crescimento, seja para quem quer cursar uma universidade ou algum outro curso, seja para quem não quer sair de casa, ficar morando com os pais.

Aí ainda em meio a toda essa avalanche querem reduzir os recursos destinados as APAES? Indiscutivelmente, a inclusão e a aceitação da diversidade na sala de aula, na sociedade, são extremamente importantes, mas nada, nada mesmo, substitui as atividades desenvolvidas pelas escolas de educação especial.

Imagine você numa sala de aula com 20 alunos (isso que a realidade em alguns locais é de até 40), tendo de atender sozinho toda a turma, cada um com suas dificuldades e, algumas, inclusive mais acentuadas.

Haverá aprendizado? Pior quando os professores não estão preparados para receber e trabalhar com os alunos para que eles possuam o melhor atendimento possível. Nem é preciso muito argumento, reflexão ou conhecimento para ter certeza de que estas escolas regulares não estão prontas para receber todos os alunos. A educação de modo geral precisa de investimentos, não redução de verbas.

É incrível como fazem novas leis, propostas como o Plano Nacional de Educação, sem pensar na realidade da maioria das escolas.

Há uma carência gritante em relação a tudo. E quem trabalha com pessoas sabe da diversidade existente. Seria perfeito se os estudantes gostassem de ir à escola para encontrar os colegas, estudar, ficar num ambiente agradável... Alunos e professores felizes e satisfeitos com a convivência que tem... É utópico, mas o que seríamos sem as utopias, os sonhos e os desejos que nos movem?

Aí ficamos naquela de cada um fazer a sua parte, por pequena que seja e acreditar que a educação pode ser melhor... E falando em cada um fazer a sua parte: alguém ainda tem dúvidas de que tudo começa em casa? Com os responsáveis pelas crianças?

 

Professores

Quero deixar aqui registrado um abraço muito especial a todos os professores, especialmente, claro, aqueles que em algum momento da minha caminhada escolar foram meus professores. Sou grata a todos! Tenho muito orgulho dessa profissão! Com certeza, uma das mais dignas!

15 de outubro – Dia do Professor!

 

TEXTO PUBLICADO NA EDIÇÃO DO JORNAL ABCNOTÍCIAS DE 04 DE OUTUBRO DE 2013