logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Loiva Gauer é a primeira mulher a assumir o Executivo

 

Loiva MIrna Gauer jan14

 

As mulheres passaram a ter o direito de voto assegurado pelo Decreto nº 21.076, de 24/02/1932, assinado pelo presidente Getúlio Vargas, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro. Esta conquista, porém, não foi gratuita. A luta pelos direitos políticos das mulheres começou ainda no século XVIII. No início da Revolução Francesa, o Marquês de Condorcet – matemático, filósofo e iluminista – foi uma das primeiras vozes a defender o direito das mulheres. Nos debates da Assembleia Nacional, em 1790, ele protestou contra os políticos que excluíam as mulheres do direito ao voto universal, dizendo o seguinte: “Ou nenhum indivíduo da espécie humana tem verdadeiros direitos, ou todos têm os mesmos; e aquele que vota contra o direito do outro, seja qual for sua religião, cor ou sexo, desde logo abjurou os seus”.

No Brasil, uma líder fundamental foi Bertha Maria Julia Lutz (1894-1976). Ela conheceu os movimentos feministas da Europa e dos Estados Unidos nas primeiras décadas do século XX e foi uma das principais responsáveis pela organização do movimento sufragista no Brasil. Ajudou a criar, em 1919, a Liga para a Emancipação Intelectual da Mulher, que foi o embrião da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, criada em 1922 (centenário da Independência do Brasil).

Representou o Brasil na assembleia geral da Liga das Mulheres Eleitoras, realizada nos EUA, onde foi eleita vice-presidente da Sociedade Pan-Americana. Após a Revolução de 1930 e dez anos depois da criação da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, o movimento sufragista conseguiu a grande vitória no dia 24/02/1932.

A primeira mulher eleita deputada federal foi Carlota Pereira de Queirós (1892-1982), que tomou posse em 1934 e participou dos trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte. Com a implantação do Estado Novo, em novembro de 1937, houve o fechamento do Legislativo brasileiro e grande recuo da liberdade democrática. Na retomada do processo de democratização, em 1946, nenhuma mulher foi eleita para a Câmara. Até 1982, o número de mulheres eleitas para o Legislativo brasileiro poderia ser contado nos dedos da mão. Portanto, as mulheres brasileiras conquistaram o direito de voto em 1932.

Nas eleições de 2010, a grande novidade foi a eleição da primeira mulher para a chefia da República. Neste aspecto, o Brasil deu um grande salto na equidade de gênero, sendo uns dos 20 países do mundo que possui mulher na chefia do Poder Executivo. Com a alternância de gênero no Palácio do Planalto, o número de ministras cresceu e aumentou a presença de mulheres na presidência de empresas e órgãos públicos, como no IBGE e na Petrobrás.

Fonte: www.enfpt.org.br

Seguindo essa ascensão do poder feminino, pela primeira vez na história de Chapada, que este ano completa 55 anos, uma mulher comandará o Poder Executivo, Loiva Mirna Gauer, vice-prefeita assumiu o município nas férias do prefeito Carlos Catto, e o ABCNotícias conversou com ela sobre sua experiência política e seus objetivos neste tempo, frente à prefeitura.

ABCN: Como surgiu a oportunidade de concorrer a vice?

Loiva: “Surgiu, porque estive ligada aos assuntos do município e pelo trabalho realizado como secretária da saúde. E a convite do então candidato a prefeito Carlos Alzenir Catto, a oportunidade de uma mulher fazer parte do corpo administrativo. Pois a mulher hoje cumpre um papel importante na sociedade e somos capazes de governar”.

ABCN: Como foi seu primeiro ano de governo ao lado do prefeito Carlos?

Loiva: “Estou satisfeita com o resultado do primeiro ano de mandato. Num primeiro momento a meta era o planejamento para garantir os importantes pontos do nosso programa de governo, mudar o que precisava, foi o que me motivou todos os dias. Entramos com espírito de luta, de enfrentamentos, coragem e com a experiência do prefeito Carlos, conseguimos realizar muitos dos objetivos. Acreditamos que o mandato que nos foi delegado, deve ser cumprido com determinação e competência, coerente com o programa ao qual defendemos. Num segundo momento temos consciência de nosso plano de governo, temos metas e propostas a serem cumpridas, mas tivemos que nos adaptar frente às dificuldades que o município atravessava. Estamos cientes que realizamos muito, mas temos muito ainda por fazer, mas com garra e persistência atingiremos nossos objetivos”.

ABN: Como está sendo a experiência como primeira mulher à frente do Executivo?

Loiva: “O papel de vice-prefeita não é apenas peça decorativa para substituir o prefeito em ocasiões oficiais como prevê a lei. Propus-me a ser uma aliada na administração e na articulação política, não me limitando apenas ao papel de vice, e sim assumindo também como prefeita em um período de férias do Carlos, desenvolvendo trabalhos importantes, projetos voltados às necessidades da população. Estou ciente que tenho condições de cumprir com esse cargo que me foi delegado. Como vice, tenho visão macro dos problemas reais do município e busco soluções. A diferença é que hoje não tenho só a Secretaria da Saúde e Assistência Social, mas todas as secretarias do município”.

ABCN: O que está sendo feito?

Loiva: “O foco é atender todo o cidadão chapadense que precise de suporte da administração. Quando assumimos o Poder Público dividimos tarefas, mas sempre estamos ligados, visando o melhor para o nosso munícipe. Meu propósito é atender a população quando necessitar. Estamos numa nova forma de administrar e acredito que tudo vai dar certo como está acontecendo até agora”.

ABCN: O que pretende realizar como prefeita do município?

Loiva: “Dar seguimento aos trabalhos, com limitações, pois temos muito a fazer em pouco tempo, estamos trabalhando dentro da normalidade, apesar da grande maioria dos funcionários estarem em férias. Estou tranquila para realizar os trabalhos, pois recebi a prefeitura organizada e muito bem conduzida, assim conduzirei da mesma forma, mantendo a agenda administrativa, acompanhando todas as ações dos setores”, finalizou a prefeita Loiva.

 

FONTE: REDAÇÃO ABCNOTÍCIAS