logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Preconceito não!, por Cassiane Bender

textossite

 

Se há algo que me deixa indignada é o tal do preconceito! Se não me engano já escrevi sobre isso inúmeras vezes, mas não me canso de expressar minha opinião sobre esse assunto, ainda mais quando ele vem à tona em todos os tipos de mídia... rádio, televisão, jornais, internet! Agora estão todos falando sobre o caso do jogador do Cruzeiro, o Tinga.

Há alguns dias o jogador foi com sua equipe para o Peru, jogar contra o Real Garsilaso e durante o jogo foi vítima de racismo. Faço das minhas palavras as dele: “Nunca imaginei que sofreria de racismo em pleno século XXI”... E ele tem toda razão! Onde esse mundo vai parar? A pessoa vai até outro país, e durante o seu trabalho é cruelmente ‘agredido’ por vaias. Sim! Ele foi agredido, pois toda vez que tocava na bola os torcedores do time adversário emitiam sons de macaco, tudo para ofendê-lo Tinga. O árbitro da partida nem sequer relatou na súmula do jogo as ofensas que o jogador recebeu, uma falta de respeito e profissionalismo.

Após este episódio, Tinga participou de várias entrevistas, mas eu pude ver apenas o programa Encontro com Fátima Bernardes, na segunda-feira, 17. Lá ele falou da sua revolta, de como isso mexeu com seus sentimentos, e da vontade que teve em deixar o campo quando tudo aconteceu.

“Pensei em deixar o campo, mas ao mesmo tempo, pensei que na vida a gente tem muitas dificuldades e não podemos deixar de viver. Era mais um passo para seguir e foi o que eu fiz. Isso é uma coisa que acontece a todo momento em todos os lugares, e não só o preconceito racial”, essas foram as palavras do jogador no papo com a Fátima Bernardes.

Em todos os lugares há comentários sobre o assunto, porém, é algo que acontece todos os dias, e não só o racismo... O preconceito faz parte do dia a dia das pessoas, e das formas mais bizarras possíveis! Na maioria das vezes cometemos preconceito com o próximo e nem percebemos, fazemos algum comentário indevido, ou damos opiniões que não são cabíveis... depois de um tempo percebemos a ‘bola fora’ que chutamos.

Finalizando... quero dizer que acredito que já esteja na hora de todos os cidadãos colocarem a mão na consciência e pensarem um pouco sobre o que estão fazendo na sua vida, as ações do dia a dia, as pessoas com quem convivemos e muitas vezes não as tratamos como merecem.

Em pleno século XXI um cidadão ser tão ofendido durante o seu trabalho, perante a milhares de pessoas (não só no estádio, mas também na televisão) não pode acontecer. Com tantas campanhas que circulam por aí, as pessoas ainda não possuem o discernimento de entender que todos somos iguais perante Deus? Realmente, está tudo perdido.

Para refletir...

“Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar”. (Nelson Mandela)

 

TEXTO PUBLICADO NO JORNAL ABCNOTÍCIAS NA EDIÇÃO DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014