logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Guerra silenciosa, por Eloy Milton Scheibe

textossite

 

Todo final de semana o drama se repete. Milhares de pessoas morrem no Brasil vítimas de acidentes de trânsito e homicídios. Nos feriados prolongados como o de Carnaval o número de mortos chegou a aproximadamente 1.300 no Brasil. Uma verdadeira carnificina.

Não há guerra no mundo que mate tantas pessoas quanto o trânsito e os homicídios, uma verdadeira negligência com a vida, valor maior que Deus deu aos seres humanos, que mesmo dotados de inteligência não se dão conta do quanto vale estar vivo.

Três são os maiores fatores que contribuem para chegar a este índice alarmante: a negligência no trânsito (alta velocidade e por dirigir alcoolizado); drogas (por consumo e disputa por pontos de venda) e brigas pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Portanto, as causas de tantas mortes em sua maioria são por motivos fúteis e sem razão nenhuma para ocorrerem,ceifando vidas de culpados e inocentes.

Imagine, neste feriado prolongado de Carnaval, só no Rio Grande do Sul foram 29 mortes por homicídios e 21 no trânsito (dos quais, oito estavam em motocicletas). Se multiplicarmos este número pela quantidade de Estados da federação, chegaremos ao alarmante número de aproximadamente 1.300 mortos só neste feriado no Brasil. O número de vítimas com algum tipo de sequela sequer tem estatísticas, mas certamente é semelhante ao de vítimas fatais. Qual é o custo de tudo isso? E aí não me refiro só ao valor em cifras para as famílias e o governo, mas aos traumas familiares e sociais decorrentes deste sem limite de mortes e mutilados. Nada pode ser tão cruel e brutal quanto isso, e pensar que a maioria dos mortos e mutilados são jovens. Algo precisa ser feito urgentemente e o pior é que não vejo nenhuma ação governamental ou de alguma ONG que possa assumir e capitanear uma campanha desta importância, embora para a Copa do Mundo no Brasil esteja sendo gasto uma montanha de dinheiro.

 

TEXTO PUBLICADO NO JORNAL ABCNOTÍCIAS DE 07 DE MARÇO DE 2014