logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Tragédia em Santa Maria comove o estado

luto

 

 

Informações do Corpo de Bombeiros dão conta de que, pelo menos, cerca de 400 pessoas estariam na boate Kiss, no momento do incêndio que teria ocorrido por volta das 2h. A Polícia Civil estima que há, pelo menos, 90 mortos. Na boate, acontecia a festa de quatro cursos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) — Agronomia, Medicina Veterinária, Pedagogia e Tecnologia dos Alimentos. Ainda no local, ocorreria a festa de um bloco de carnaval da cidade, o Nagandaya. Ainda conforme os bombeiros, parte da parede teria sido quebrada por pessoas para que pudessem auxiliar na saída e para ajudar a ventilar oxigênio.

 

O diretor do Centro de Ciências Rurais da UFSM, Thomé Lovato, já mobilizou as equipes da UFSM e tão logo se tenha a relação de mortos dos cursos da Ciências Rurais — Agronomia, Medicina Veterinária, Tecnologia dos Alimentos — os familiares serão avisados pela federal.

 

O incêndio da boate Kiss já teria sido controlado. A estrutura do prédio não correria risco de cair e nem prédios do entorno correriam risco de cair. Agora, o Corpo de Bombeiros trabalha para saber se haveria, de fato, uma saída nos fundos da boate.

O major do Batalhão de Operações Especiais (BOE), Cleberson Braida Bastianello, em coletiva à imprensa, no ginásio do Centro Desportivo Municipal (CDM), confirmou a morte de 186  pessoas (número que deve aumentar). Estes corpos estão no ginásio do CDM e segundo Bastianello estas mortes teria ocorrido dentro da boate Kiss. Outros seis corpos de vítimas que não resistiram e morreram nos hospitais da cidade devem ser encaminhados ao ginásio do CDM.

No ginásio do CDM, há um Comitê Gestor da Crise que foi instalado no local e que tem dado apoio aos familiares. Centenas de amigos, pais e familiares estão no local em busca de informações. O procedimento, segundo o Instituto Geral de Perícias (IGP), é que as famílias se dirijam até o CDM, pela entrada lateral da Rua Tuiti, e lá procurem a polícia e se identifiquem. A Polícia Civil tem cadastrado os familiares e a previsão é que em uma hora, o IGP libere a entrada dos familiares no CDM. No entanto, ainda não há previsão de o horário da divulgação da relação dos nomes dos mortos.

Michele Schneid, 22 anos, que trabalhava no caixa da boate Kiss diz que, no momento do incêndio, haveria uma equipe de 23 funcionários trabalhando no local. Ela conta que as pessoas começaram a gritar "fogo" e foi intensa a correria para se abrigar nos banheiros da boate.

- Eu escutei as pessoas gritarem 'fogo' e foi uma correria. Muita gente correu para os banheiros e acabou morrendo asfixiada - relata a sobrevivente.

Na tentativa de identificar os nomes, o Instituto Geral de Perícias (IGP) tem colocado documentos de identificação — como identidade, carteira nacional de habilitação, entre outros — e celulares foram colocados nos peitos destas vítimas.

De acordo com relatos de servidores do IGP, muitos telefones dos mortos no ginásio tocam sem parar. O primeiro caminhão, por volta das 7h20min, levou pelo menos 77 corpos, no Centro Desportivo Municipal (CDM). Até o momento, famílias que estão no local estão sendo encaminhadas para o portão lateral do CDM, que fica na Rua Tuiti. Inicialmente, a perícia fará a identificação dos mortos que estavam com documentos de identificação (como identificação, carteira nacional de habilitação, entre outros). Em um segundo momento, o IGP deve fazer o reconhecimento daqueles corpos que não tenham identificação. Para isso, deve ser solicitada a ajuda de familiares e amigos no reconhecimento dos corpos.

Ainda no decorrer desta manhã, o IGP deve divulgar uma lista com a relação de vítimas que estão no CDM.

FONTE: ZERO HORA