logo fm91 logo 1500am whats-radio9

60 anos sem Vargas, por Jefferson de Ramos

Jeffe e Eloy

 

No último domingo (24), lembramos a morte de Getúlio Vargas. O ex-presidente, que há 60 anos, com um tiro no coração, saía da vida para entrar para a História.

Nesta semana, em meio a homenagens e a tantas alusões ao getulismo, é impossível não analisar o paradigma Homem X Político do passado, e do presente.

Você já parou para pensar que Getúlio há mais de 100 anos é assunto em praticamente todos os períodos eleitorais? Desde que ingressou na política em 1909, Vargas galgou carreira próspera, e por inúmeros períodos até contraditória.

Foi o típico político que ultrapassou o partidarismo, e fez uma política personalizada, algo praticamente impossível nos dias de hoje devido ao grande jogo político que rege uma eleição.

Para muitos um ditador. Para outros, o pai dos pobres, aquele que nos deu o salário mínimo, as férias remuneradas, e a carteira de trabalho. O homem que fechou o Congresso e censurou a imprensa.

Um dos pioneiros do marketing político. Que através do DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda) criou ações como a histórica obrigatoriedade de ter um retrato do presidente em cada repartição pública durante o Estado Novo. Além de planejar muito bem o uso do rádio e da TV.

Fatos que passaram a imprimir na população o culto à personalidade do Homem frente ao Político. Estratégia usada até hoje, mas ineficaz na ausência de “personalidade” do próprio político. E o que sobrava naquele senhor gaúcho de estatura pequena era personalidade. Um homem que conseguiu ser estadista e ditador ao mesmo tempo. Atravessou vários períodos e soube conciliar o autoritarismo com a paixão pelo povo.

Hoje o getulismo não daria certo de forma alguma. Mas já imaginaram como seria o Brasil se não tivesse existido Getúlio Vargas?

Figuras iguais a ele dificilmente aparecem. Histórias como essa são impossíveis de esquecer. Concordando ou não com sua linha política e apesar de não ser a figura histórica mais estudada hoje, Vargas merece ser lembrado e respeitado.

Publicado no ABCNotícias na edição do dia 29/8/2014