logo fm91 logo 1500am whats-radio9

SAÚDE & BEM-ESTAR - O que é a laringomalácia?

not 20121214372874050 g

A laringomalácia é o colapso de parte das vias respiratórias que ocorre durante a inspiração (entrada de ar nos pulmões).

É a anomalia congênita mais comum da laringe e a sua causa não está bem estabelecida.

Geralmente provoca alguma dificuldade respiratória, com um barulho típico que ocorre na inspiração, sendo mais frequente no período neonatal. Esse barulho designa-se estridor e costuma atingir um pico de intensidade por volta dos 4-8 meses, acabando por ir desaparecendo gradualmente até aos 12-18 meses. Estas manifestações são mais evidentes quando o bebê está constipado, quando chora ou durante a alimentação, embora possa surgir apenas durante o sono.

Nas formas ligeiras, mesmo durante os episódios de estridor, as crianças respiram e alimentam-se bem, mas nas formas mais graves, pode haver dificuldades grandes na alimentação, associada com má evolução de peso.

Por vezes, a laringomalácia existe em conjunto com outras anomalias e é relativamente frequente a associação com refluxo gastroesofágico.

O diagnóstico é feito com base nos sintomas que a criança apresenta e pode ser confirmado com a observação da laringe por um otorrinolaringologista. No entanto, se as manifestações forem muito típicas, esta não é mandatória para o diagnóstico.

De qualquer forma, há várias doenças que podem ter sintomas semelhantes, por isso, uma observação médica é muito importante.

O tratamento depende da gravidade da situação. Na grande maioria dos casos, a laringomalácia não é grave e resolve-se espontaneamente, sem necessidade de tratamento.

Quando existe refluxo gastroesofágico associado, este deve ser tratado e é importante manter uma vigilância adequada do peso.

Os casos mais graves podem implicar tratamento cirúrgico e devem sempre ser acompanhados por um otorrinolaringologista.

Concluindo, pode-se afirmar que é uma situação que causa muita ansiedade nos pais, mas na maior parte das vezes, se resolve facilmente.

Fonte: blogpediatriaparatodos.blogspot.com.br