logo fm91 logo 1500am whats-radio9

GSV / Grupo de Socorristas Voluntários - fazer o bem sem olhar a quem

10153021 1374977306122104 471296141506464396 n

O Grupo de Socorristas Voluntários (GSV) de Carazinho é um grupo voluntário na área do resgate de acidentes de trânsito em rodovias do norte do Estado. Idealizado e fundado por cinco socorristas, hoje conta com um médico orientador e uma enfermeira responsável técnica, e cerca de 13 socorristas que se revezam nos plantões. Com o fim dos pedágios, muitos questionavam como seria os socorros nas estradas quando acontecessem acidentes, restando essa responsabilidade para o SAMU. Sabendo do grande desafio que o SAMU teria em atender a demanda dentro do município de Carazinho e também nas estradas da região, pensando na demora e na qualidade do socorro, um grupo de cinco socorristas, preocupados em ajudar nos primeiros atendimentos se uniu e fundou o Grupo de Socorristas Voluntários – GSV que tem como meta salvar vidas. O GSV surgiu no mês de abril de 2014, mais especificamente no dia 17 de abril, quando foi anunciado à imprensa sobre a intenção do trabalho e o funcionamento do grupo, também foi comunicado os órgãos oficiais como Polícia Rodoviária Federal, Brigada Militar, Corpo de Bombeiros e o SAMU, estes aceitando o GSV de braços abertos. O atual presidente do grupo Fábio Carpes, que foi supervisor de resgate das ambulâncias da antiga concessionária e atualmente é condutor socorrista do SAMU de Carazinho, com a sua experiência fez um levantamento sobre a importância de ter um resgate às margens da rodovia, com muito esforço conseguiu uma ambulância e um desencarcerador hidráulico cedido pela empresa Apromegen de Carazinho.

O GSV não atende somente o município de Carazinho, atua em apoio também ao SAMU de Sarandi e de Passo Fundo, a área de abrangência atual do grupo é nas BR’s 285 (trevo do município de Saldanha Marinho até a ponte do Rio da Várzea em Passo Fundo) e 386 (de Sarandi até o trevo do município de Tio Hugo), além da ERS 142 (em Não-Me-Toque). 

O grupo tem sua base operacional junto ao distrito industrial na BR 386, lugar estratégico, pois fica a 200 metros do acesso para a BR 285. Por estar nesse local privilegiado, no Posto RHRiss na BR 386, os Socorristas do GSV são os primeiros a chegarem no local do acidente, dando assim a chance de um acidentado ter menos sequelas traumáticas. A equipe é formada por enfermeiros, técnicos em enfermagem, socorristas, condutores, bombeiro militar e policiais que trabalham todos os finais de semana de forma voluntária das 19h da sexta-feira até às 22 horas do domingo e nos feriados das 19 horas do dia que antecede o feriado até às 7 horas do dia seguinte. 

Além disso, o GSV realiza treinamentos nas BR’s para aperfeiçoar o atendimento. Contudo, o GSV tem passado por dificuldades para manter o serviço, onde muitas vezes os próprios voluntários acabam desembolsando dinheiro para fazer os reparos e manutenção da viatura, por exemplo. Além disso, o grupo possui despesas de expediente.

O GSV sobrevive de doações, tanto para manutenção da viatura, combustível e materiais de primeiros socorros. Telefone de emergência do GSV: (54) 9913-4599.

Fonte: site DiárioRS.

O Jornal ABCNotícias realizou entrevista com a enfermeira Ananda May Barth - graduada pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Carazinho e pós-graduanda em Urgência e Emergência (CELER Faculdades Sarandi).

Ananda faz parte do Grupo de Socorristas Voluntários (GSV) de Carazinho, desde maio deste ano, “após acompanhar uma reportagem onde aparecia o grupo realizando os plantões no feriado de Páscoa, fiquei interessada em saber mais sobre o grupo. Tivemos uma reunião, foi marcado um treinamento e após definida uma escala de plantão, que muda semanalmente e que depende da disponibilidade dos socorristas. Após alguns meses fui convidada a ser a Enfermeira Responsável Técnica, mensalmente são realizados treinamentos. Acredito que o trabalho voluntário é muito gratificante e recompensador. Há uma troca de experiências, doa-se o tempo em favor de ajudar o próximo. Todos podem participar e contribuir de alguma maneira, pois afinal, ninguém está livre de precisar, por isso ajude você também”, disse Ananda.

Ananda também foi chamada no dia 25 de outubro deste ano para integrar a equipe do SAMU nas estradas.

Para suprir a lacuna de prestação de serviço deixada pelo fim dos pedágios, substituídos pela administração da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), o governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual da Saúde (SES) reforçou o serviço de socorro médico nas estradas. Em todo o Estado são 16 novas viaturas do SAMU, oito de suporte básico e oito avançado, que estão disponíveis para o atendimento de urgência 24 horas nas estradas.

As ambulâncias foram entregues no dia 21 de outubro, em Porto Alegre e encaminhadas para os municípios de destino. Em Passo Fundo, a base fica junto ao posto da Polícia Rodoviária Federal na BR-285 (antiga praça de pedágio), com uma UTI Móvel e equipe formada por médico, enfermeiro e condutor. Atua de maneira integral nos atendimentos de Urgência/Emergência nas rodovias e que presta apoio na cidade de Carazinho.

“Fui chamada no dia 25/10 para integrar a equipe. Sendo um trabalho que requer muita atenção, trabalho em equipe e agilidade. Além de cursos de Atendimento Pré-hospitalar (APH) e Suporte Básico de Vida (BLS) e PHTLS e também o que me ajudou foi os plantões e treinamentos no GSV. Nossa equipe é composta de duas enfermeiras, duas técnicas de enfermagem e três condutores, revezando plantões de 12h. Nossas atividades são reguladas pela Central Estadual do SAMU 192, que deslocamos até o chamado e que quando necessário é levado a vítima até hospital de referência, no nosso caso o Hospital de Caridade de Carazinho (HCC).

A cada momento, podemos ter uma situação diferente do que estamos acostumados no dia a dia, por exemplo, no hospital tem o local correto, os pacientes chegam e tem tudo certinho para fazer, você quase não lida com situações diferentes. Aqui no SAMU temos situações imprevistas, alterações no quadro clínico do paciente a todo momento, deve haver uma percepção diferente.

Não há como adivinhar o que vamos encontrar. Esse desafio é o que nos motiva, as situações inesperadas, por isso é um trabalho muito gratificante, principalmente quando sabemos que conseguimos ajudar as pessoas que estamos socorrendo”, finalizou Ananda.

Ananda - SAMU nov14