logo fm91 logo 1500am whats-radio9

Porto Alegre ganha centro integrado para tratar AVC

17099652 1

A cada dia, 20 pessoas morrem no Estado devido a um acidente vascular cerebral (AVC), praticamente uma por hora. Em 2012, conforme dados da Secretaria Estadual da Saúde, 7,7 mil gaúchos foram vítimas da doença, a principal causa de óbitos entre adultos no país. Esses números tendem a aumentar, segundo o diretor técnico do Instituto de Doenças Neurológicas do Hospital Mãe de Deus, de Porto Alegre, Maurício Friedrich. Uma das razões seria a falta de prevenção.

Para reduzir a taxa de mortalidade e minimizar sequelas, o Hospital Mãe de Deus inaugurou, na segunda-feira, o Centro Avançado de Tratamento do AVC, que conta com três unidades especializadas e equipe com profissionais de diversas áreas. O modelo, conforme Friedrich, que trabalhou no projeto, é inédito no país:

— É um modelo consagrado no mundo todo. A principal diferença é a criação e a integração dessas três unidades, o que faz a diferença na redução dos índices.

Inspirada em iniciativas alemãs, a estrutura está dividida em três unidades (emergência, neurointensiva e reabilitadora), que contam com 18 leitos. Na primeira, onde ocorre o diagnóstico, o paciente fica por no máximo 12 horas. Em seguida, é transferido para a neurointensiva para ser monitorado (sinais cardíacos, pressão etc.) por pelo menos 24 horas. A terceira etapa é dedicada à reabilitação de movimentos e outras capacidades.

Com o centro, que atende pacientes particulares e por convênios, a expectativa é reduzir em 20% as mortes e a incapacidade dos pacientes do hospital. O Mãe de Deus recebe cerca de 500 pessoas por ano com AVC. A taxa de mortalidade é de aproximadamente 10%. A ideia é, futuramente, ajudar unidades do hospital que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Canoas e no Litoral.

Presidente da Associação Amor Vida Cuidado, Magda Perez, 55 anos, disse que Porto Alegre dá um "salto fantástico" no tratamento de AVC com o centro. Ela fundou a entidade de apoio a famílias de vítimas, após a morte do marido.

Fonte: ZH