logo fm91 logo 1500am whats-radio9

XVI Marcha dos Prefeitos reuniu autoridades de todo o País

marchapref 

A XVI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios ocorreu de 8 a 11 de julho, na Capital Federal. Participaram do evento milhares de pessoas, entre prefeitos, vice prefeitos, vereadores, representes do governo federal, parlamentares, especialistas e demais agentes políticos. Com o tema O Desequilíbrio Federativo e a Crise nos Municípios, a mobilização é organizada pela Confederação Nacional de Municípios(CNM), em parceria com as entidades estaduais e regionais de Municípios.

“A Marcha é um importante momento democrático dos Municípios com o governo federal”. Com essa afirmação a presidente da República Dilma Rousseff iniciou o discurso dela na XVI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, na manhã do dia 10 de julho. O principal anúncio da chefe do Executivo foi o montante de R$ 3 bilhões.

A presidente esclareceu que o valor será transferido na forma de auxílio emergencial para ajudar os gestores no momento de crise. Dilma explicou que serão duas parcelas, uma em agosto e outra em abril de 2014.

Este aporte não terá desconto do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB), tão pouco vinculação a alguma área.

A Confederação Nacional de Municípios(CNM) fez os cálculos, e antecipa os valores que cada ente municipal deve receber, de acordo com o anúncio de Dilma.

Segundo a entidade, os R$ 3 bilhões representam o que geralmente é repassado às prefeituras em julho, por meio do Fundo de Participação (FPM).

Para os municípios de Almirante Tamandaré do Sul, Barra Funda, Chapada, Nova Boa Vista e Novo Barreiro está previsto o valor de R$ 241.794,52. Participaram do evento o prefeito de Chapada Carlos Catto e de Nova Boa Vista Márcio Thums.

O enfoque do discurso de Dilma também foi para a Saúde. Ela abordou detalhes do Programa Mais Médicos, lançado na terça-feira, 9, e pediu “esforço” por parte dos prefeitos para mudar a situação atual do setor. “Nós iremos custear de forma integral mais médicos no interior, nos postos e nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento de Saúde)”.

 

 

FONTE: REDAÇÃO JORNAL DE CHAPADA